A proposta foi levar a população a perceber a importância de se preservar o meio ambiente e alertar para a grave crise hídrica atual.

O CBH Rio das Velhas, em parceria com o Projeto Manuelzão e outras entidades, participou no último domingo (22), Dia Mundial da Água, do ‘Grito pelos rios e montanhas de Minas’. O evento reuniu mais de 3 mil pessoas no Parque Municipal Renné Giannetti, na capital.

“A crise atual é preocupante e um ato em favor da água é uma oportunidade de fazer com que a população perceba a importância de se preservar o meio ambiente”, afirmou o presidente do CBH Rio das Velhas, Marcus Vinícius Polignano.

Para ele, uma crise de grandes proporções como a que estamos vivendo cria possibilidades para profundas discussões e mudanças de paradigma na gestão da água e espaços públicos como estes são fundamentais para informar e alertar a população da situação. “A água é um direito humano e não pode ser tratada como mercadoria, todos os governos têm responsabilidade sobre a água e prestam um serviço à população e os planejamentos hídricos devem necessariamente considerar a recuperação e recomposição dos mananciais e das atuais fontes de água”, disse.

Veja as fotos

Abraço simbólico

Um abraço simbólico em uma das lagoas do Parque Municipal marcou a comemoração. As pessoas emocionadas se encaminharam ao local e de mãos dadas gritaram palavras de ordem e de agradecimento por esse recurso fundamental. “O objetivo do abraço foi sensibilizar a população quanto à preservação e chamar a atenção, sobretudo, para a conservação dos mananciais hídricos da região”, comentou Polignano.

diadaagua_cbhriodasvelhas_tantoexpresso_credito_michelleparron_WEB-54

Exposição CBH Rio das Velhas

O CBH Rio das Velhas expôs banners e distribuiu revistas que mostraram as realizações da entidade. Muitas pessoas procuraram informações sobre as ações do Comitê e quiseram conhecer mais de perto todas as propostas em prol da bacia do Rio das Velhas. Na exposição, as pessoas puderam conhecer um pouco da história do Comitê, o que são os Subcomitês e os projetos hidroambientais realizados na bacia.

Um projeto muito procurado foi o de ‘Proteção de Nascentes Urbanas’ realizadas no Arrudas e Onça. A técnica em meio ambiente, Mirian Ferreira Duarte, revelou que estava surpresa por tantas ações que envolviam o Comitê e como as pessoas desconhecem tão importante trabalho. “Por essas ações podemos perceber a grandiosidade da Bacia do rio das Velhas. Além de conhecê-la melhor precisamos nos inteirar de tudo que acontece no território da bacia, pois moramos em Belo Horizonte e por isso, fazemos parte dela”, acrescentou.

A Irmã Brígida Barbosa, que observava também os banners expostos pelo CBH Rio das Velhas, Movimento pela preservação da Serra do Gandarela e Ongs parceiras, comentou que com a exposição dos projetos mais conhecimentos e informações são repassados ao público. “Precisamos saber para conhecer e defender. Infelizmente muitos não sabem de todo esse trabalho e como eles acontecem”.

fotos-site

Oficinas, atrações culturais e cicloexpedição

Ainda como atração da exposição pôde ser visitado um grande mapa da bacia do Rio das Velhas e todas as suas implicações. A interação proporcionou ao público momentos de vivência e experimentação. O Sesc também participou do movimento com “Chorinho e Samba na Praça” com os grupos Samba 5 e Bate Boca que apresentaram uma vasta programação de música brasileira. Mudas de árvores frutíferas e nativas foram distribuídas pelo Projeto Boi Rosado. O plantio das mudas é uma ação que integra a proposta do projeto e tem por objetivo fazer com que todos aprendam a preservar as matas e rios. O evento ainda contou com oficinas de contação de histórias e confecção de mandalas. Café e chás foram servidos pela ONG Undió a todos que visitaram o Parque. Muitas pessoas fizeram fila para aferir a pressão e ver o Índice de Massa Corpórea (ICM).

Para celebrar a data, cerca de 150 ciclistas participaram de uma cicloexpedição pelas margens do Ribeirão Arrudas que começou em suas nascentes no Parque das Águas no bairro Barreiro e seguiu até a cachoeira do Arrudas na divisa de Belo Horizonte com Sabará. Com um percurso de 25 quilômetros, a cicloexpedição teve a proposta de reconhecimento do território e da natureza na cidade.

Veja as fotos da cicloexpedição pelo Ribeirão Arrudas

A programação da Semana das Águas continua e ainda terá mais dois eventos: na terça-feira (24) Audiência Pública sobre os projetos relacionados à água, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, e no dia 25, quarta-feira, a 83ª plenária do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio as Velhas.

Para a diretoria do Comitê, é sempre uma oportunidade positiva para a entidade participar de todos os atos que envolvam a conscientização da importância da água. Para eles, todos são responsáveis pelo bom e consciente uso deste recurso fundamental para a vida.


Mais informações e fotos em alta resolução:

Assessoria de Comunicação CBH Rio das Velhas
comunicacao@cbhvelhas.org.br