O ano de 2016 foi marcado por graves crises institucionais, econômicas e políticas, que tiveram um forte impacto na causa ambiental. Como consequência, na construção das agendas atuais, a questão ambiental praticamente sumiu. E, por outro lado, é exatamente a qualidade do meio ambiente que determina nosso futuro em relação à permanência dos rios e da produção de água no planeta. Os nossos rios estão secando e temos que tomar cuidado para não entramos em uma pane seca.

Por isso, esperamos que a mudança de ano possa ser a reconstrução de caminhos, de relações internas e externas e de entendermos que o essencial à vida continua sendo a oferta permanente de ar, de água e de alimentos. Se não nos alertarmos para a relação entre homem e a natureza, estaremos desconectando a nossa relação direta com a perpetuação da vida. Desejamos, portanto, que esta passagem de ano seja um momento de reflexão do que fizemos e do que deixamos de fazer.

Nesse sentido, agradeço a todos, que por meio de sua dedicação e empenho, vem colaborando para a manutenção da vida do Rio das Velhas. Muito mais que um trabalho de bacia hidrográfica, estamos inseridos em uma causa social, que vem contribuindo para um mundo mais justo e ambientalmente sustentável.

Marcus Vinícius Polignano
Presidente CBH Rio das Velhas