Com afeição e lirismo, o livro ‘Maquiné’ conta a história de ocupação, desenvolvimento e de conquistas sociais da comunidade de Maquiné. Para isso, utiliza-se da afluência do Córrego Santo Antônio para contar sobre as questões ambientais, sociais, culturais e econômicas do vilarejo.

O autor da obra, João de Oliveira Bastos envolve o leitor na história de Maquiné com seus relatos e registros fotográficos da localidade. A obra possui 68 páginas e foi publicada em dezembro de 2016.

Em ordem cronológica, o autor apresenta a história de um casal que fundou Maquiné, comunidade que vive à beira da rodovia 381, no distrito de Ravena, em Sabará. O povoado é banhado pelo Córrego Santo Antônio, afluente do Ribeirão Vermelho, o qual deságua no Rio das Velhas.

No início, as famílias viviam nas terras desocupadas e sobreviviam com compras advindas de tropas que por lá passavam. Próximo à ocupação havia um lugar em que se trabalhava com ferro “maquinismo”, que é a história por trás do nome Maquiné. Assim, a grande família passou a se chamar Maquiné!

Como informa o autor, trata-se de uma comunidade rural que já viveu de produção agrícola significativa, porém, atualmente, a sobrevivência e sustento familiar acontecem por meio de prestação de serviços, como diaristas, trabalhador rural braçal, servente e pedreiro. Outras oportunidades de trabalho vêm surgindo, como auxiliar de serviços gerais, atendente, caixa de supermercado e eletricista.

Sobre a hidrografia do local, o livro informa que o crescimento desordenado de Ravena prejudicou a qualidade e quantidade das águas do Córrego Santo Antônio, o que impacta diretamente na vida das pessoas da vila.

Nesse contexto, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas), o Subcomitê Poderoso Vermelho e da Associação Comunitária da Região Sul de Ravena (ASCOSUL), ente do SCBH, mobilizaram e sensibilizaram a comunidade para as questões ambientais relacionadas à construção de fossas sépticas econômicas para a melhoria da qualidade do curso d’água da região. A construção e instalação das fossas foram acompanhadas pela Emater e financiadas pela empresa AngloGold.

As fossas sépticas econômicas são uma tecnologia veiculada pela Emater e financiadas pela AngloGold.

O livro também fala sobre o projeto ‘Bem Cuidar de Maquiné’, o qual o autor é colaborador, que visa fortalecer o sentimento de pertencimento e a construção social e cultural do local com oficinas, cursos, conversas e brincadeiras com crianças.

A publicação é uma dica de leitura para quem gosta de natureza, história e cultura. Além de textos, o livro traz um registro fotográfico da comunidade.

Veja as fotos:

<a href="https://flic.kr/s/aHskZxhNhw" target="_blank">Click to View</a>

Sobre o autor:

João de Oliveira Bastos tem 24 anos e é natural e residente da cidade de Belo Horizonte. É graduado em Design Gráfico pela UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais). O livro ’Máquiné‘ foi seu projeto de conclusão de curso, apresentado no final do ano de 2016, ao qual pesquisou e registrou a comunidade.

João também fez uma extensão acadêmica na Universidade Húngara de Belas Artes, em Budapeste, em 2014. Em 2016, tornou-se colaborador da Associação Beneficente e Comunitária da Região Sul de Ravena – ASCOSUL, em Maquiné.

João é designer com experiência em criação editorial e de identidades gráficas. Busca amadurecer em sua profissão e atuar em projetos amplos de atuação e transformação social.

montagem_maquineÁ esquerda: João de Oliveira Bastos. À direita: livro ‘Maquiné’. 

Leia o livro em sua versão digital:


Mais informações:

Assessoria de Comunicação CBH Rio das Velhas
comunicacao@cbhvelhas.org.br