Na última quinta-feira (31 de agosto), em São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto, foi realizado o Seminário Inicial do Projeto de Revitalização de Quatro Microbacias inseridas na Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas e na APA (Área de Proteção Ambiental) das Andorinhas. O evento buscou apresentar as estratégias e metodologias de atuação do projeto que tem como objetivo promover a recuperação hidroambiental dessas áreas.

O escopo prevê a construção de barragens galgáveis e bacias de contenção, também conhecidas como barraginhas, o plantio de mudas, o cadastro e elaboração de estudos de alternativas de esgotamento sanitário, além de ações de mobilização social e educação ambiental. As áreas beneficiadas serão as microbacias Córrego do Andaime, Córrego do Jequiti, Córrego do Afogador e Córrego São Bartolomeu, todas próximas ao distrito pertencente ao município de Ouro Preto.

O coordenador-geral do Subcomitê de Bacia Hidrográfica Nascentes (SCBH Nascentes), Ronald Guerra, destacou o fato de o projeto ter sido precedido por um diagnóstico que identificou precisamente os lugares prioritários de intervenção. “Antes mesmo da contração dos serviços, uma consultoria da área fez uma visita de campo a estas microbacias e observou onde estão os maiores problemas, normalmente ligados a degradação da área de pastagem e problemas erosivos. Em seguida, elaborou um Termo de Referência, definindo o porquê de se fazer barragens galgáveis em determinado lugar, o porquê de barraginhas, sulcamentos, melhorias de pastagem e por aí vai”, disse.

Serão construídas ao todo 64 barraginhas, que visam acumular água das chuvas e reter os sedimentos carreados pelo escoamento superficial das estradas. O projeto também prevê 11 barragens galgáveis para permitir a redução do escoamento superficial e a infiltração da água para alimentação do lençol freático. Já as intervenções de terraceamento e formação de curvas de nível, vinculados às bacias de contenção, buscarão controlar os processos de erosão, conservar o solo e prevenir a formação de sulcos e grotas.

Veja a apresentação exibida no Seminário Inicial:

 

Segundo o profissional Rogério Pedrosa, da empresa Neogeo Engenharia, responsável pela execução do projeto, por serem particulares as áreas beneficiadas, cada proprietário deverá assinar um Termo de Aceite, formalizando a anuência com a intervenção que será realizada. “É necessário esta autorização antes do início de qualquer ação na propriedade. Mas isso não deverá ser um problema, tendo em vista que os benefícios do projeto são muitos e se estendem a todos”, afirmou.

O Projeto de Revitalização de Quatro Microbacias inseridas na Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas e na APA das Andorinhas foi aprovado no primeiro chamamento público de projetos do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas), ainda em 2015, quando foram convocadas instituições ambientais, subcomitês e prefeituras dos municípios inseridos na bacia a apresentarem demandas espontâneas de estudos, projetos e obras, visando à racionalização do uso e a melhoria dos aspectos qualitativos e quantitativos dos recursos hídricos.

Confira as fotos do encontro em São Bartolomeu:

<a href="https://flic.kr/s/aHsm4bNx52" target="_blank">Click to View</a>

São Bartolomeu: primeira vila às margens do Rio das Velhas

A fartura de frutas no distrito de São Bartolomeu, em Ouro Preto, induziu os moradores à fabricação de doces caseiros, tradição reconhecida na região. Cercado pelas águas ainda limpas do Rio das Velhas e pelo Parque Florestal Uaimii, São Bartolomeu é um local de águas preservadas, mas com pouca disponibilidade.

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) São Bartolomeu, inaugurada em 2008, é a estação localizada mais a montante no Rio da Velhas. Com ela, evita-se que a cabeceira do rio receba cargas de matéria orgânica que poluirão suas águas, à jusante.

UTE Nascentes

A Unidade Territorial Estratégica Nascentes localiza-se no Alto Rio das Velhas e possui uma área de 541,58 km², integrada pelos municípios de Itabirito e Ouro Preto. Nesta UTE, o Rio das Velhas tem 55 quilômetros de comprimento, desde suas nascentes no Parque Natural Municipal Cachoeira das Andorinhas, em Ouro Preto, até a barragem de Rio de Pedras, em Acuruí, distrito de Itabirito. Sua área urbana com maior representatividade é Cachoeira do Campo, distrito de Ouro Preto, e seus principais afluentes são: Rio Maracujá, Ribeirão do Funil, Córrego Olaria e Córrego do Andaime.


Mais informações:

Assessoria de Comunicação CBH Rio das Velhas
comunicacao@cbhvelhas.org.br