O Projeto Valorização de Nascentes Urbanas do Ribeirão Onça realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas) está promovendo uma oficina de cinema e vídeo, no Núcleo de Cinema e Educação, na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Campus Pampulha. A oficina tem a temática voltada para a questão das nascentes e a Bacia Hidrográfica do Ribeirão Onça, explorando relações entre o cinema e a natureza.

A atividade conta com 23 participantes e tem como público-alvo alunos de escolas públicas, líderes comunitários, moradores, professores, interessados em audiovisual e membros da rede de ações em prol do Ribeirão do Onça. Além disso, os participantes precisavam ser moradores da Bacia do Ribeirão Onça, ter interesse ou alguma relação com o tema das nascentes e bacia hidrográfica ou com arte, vídeo, comunicação ou educação comunitária.

O coordenador-geral do Subcomitê Ribeirão Onça, Márcio Lima, explica que a atividade é uma oficina de formação e que visa promover um diálogo sobre a Bacia do Ribeirão Onça. “Durante a oficina os participantes produzirão de forma coletiva três filmes de aproximadamente cinco minutos cada que passará uma visão sobre o que é o Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas do Onça e o cenário atual deste curso d’água”, afirma.

Gustavo Jardim, responsável pela oficina fala sobre a relação entre a arte e a natureza. “A oficina tem a proposta de formar um ponto de vista simbólico, de sensibilidade e sentimento com as nascentes e os cursos d’água do Ribeirão Onça relacionando os aspectos do natural com o plano do cinema”, explica.

Sobre o plano do afetivo e simbólico do cinema para a preservação ambiental, Gustavo fala que a arte provoca a criação de algo ainda não visto, da recriação do cotidiano em formas ainda não vistas. “A ideia é criar uma nova forma de comunicação e sensibilização”, diz.

Para a cuidadora da nascente do Quilombo Mangueiras, Ione Maria de Oliveira, a oficina proporciona descobertas, pois para ela, aprender a filmar é uma forma de mobilizar as pessoas sobre os sentimentos e sonhos pessoais. “Mobilizar é isso, despertar nas pessoas o nosso sentimento e sonho”, completa.

Izabella Izidoro, também participante do curso, trabalha na Bacia do Ribeirão Onça com oficinas sobre o meio ambiente e para ela o curso mostra uma nova forma de abordagem e ferramenta para a mobilização. “O projeto tem o fator importante de chamar a atenção para a existência das nascentes, acho que um é diferencial usar o cinema como forma de mobilização, deixando formas convencionais de comunicação, como panfletos”, destaca.

curso_montagem
Comunidade da Bacia do Ribeirão Onça participa de oficina sobre cinema e vídeo

Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas na Bacias Hidrográficas do Ribeirões Onça

O Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas na Bacia Hidrográfica do Ribeirões Onça é financiado pelo CBH Rio das Velhas com o recurso da Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos. Tem como foco a execução de intervenções em nove nascentes pré-selecionadas, bem como a promoção de atividades de educação ambiental e divulgação da relevância das ações executadas, além da realização de campanhas de amostragem para conhecimento da qualidade das águas nas nascentes selecionadas.

O Projeto teve início em julho de 2016 e terá a duração de 14 meses, tendo como data final o mês de setembro de 2017.

Saiba mais sobre o projeto:

Visita técnica é realizada em nascentes do Ribeirão Onça

CBH Rio das Velhas lança projeto de valorização de nascentes urbanas do Ribeirão do Onça em Contagem

CBH Rio das Velhas inaugura melhorias na Nascente Fundamental do Parque Ciliar do Ribeirão Onça

Ribeirão Onça

O Ribeirão Onça é um afluente da margem esquerda do Rio das Velhas, no qual deságua. Localiza-se na porção centro-norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte e é o principal curso d’água que separa as regiões norte e nordeste de Belo Horizonte. Seus afluentes mais importantes são o córrego Cachoeirinha e o Ribeirão Isidoro/Vilarinho, que recebe os impactos diretos da ocupação de Venda Nova e região norte de Belo Horizonte.

Além disso, no leito principal do Ribeirão Onça destaca-se a presença da Lagoa da Pampulha, cujo estado de degradação é notório, decorrente do assoreamento e lançamento de esgoto dos municípios de Contagem e Belo Horizonte.

Veja as fotos da região:

<a href="https://flic.kr/s/aHskMJ2paY" target="_blank">Click to View</a>

Mais informações e fotos em alta resolução:

Assessoria de Comunicação CBH Rio das Velhas
comunicacao@cbhvelhas.org.br